• Sofre de Andropausa? Podemos te ajudar.

    Entre em contato conosco para um atendimento individual e personalizado.

  • Clique Aqui →

Andropausa – Hipogonadismo Masculino

Andrógenos são hormônios responsáveis pelo desenvolvimento e manutenção das funções reprodutivas e sexuais, composição corporal, saúde óssea e comportamento masculino. Dentre os principais andrógenos temos a Testosterona e seus derivados. Sua deficiência pode levar, no homem, à infertilidade, disfunção sexual, perda de massa muscular, enfraquecimento ósseo, distúrbios do metabolismo e alterações cognitivas.

Com o envelhecimento, os níveis de testosterona tendem a cair. Seus baixos níveis estão relacionados com a predisposição à obesidade e diversas doenças crônicas.

O Hipogonadismo Masculino (Andropausa) é uma síndrome causada pela diminuição dos níveis de testosterona no sangue (Deficiência Androgênica), que por sua vez, pode alterar a função de diversos órgãos e a qualidade de vida do homem.

A Deficiência Androgênica é uma consequência da idade, mesmo em homens saudáveis. Em homens de meia idade, sua incidência varia entre 2,1 – 12,8%. O Hipogonadismo é mais prevalente em homens mais velhos, obesos, com doenças associadas e com saúde debilitada.

Etiologia / Causas

O hipogonadismo é decorrente da falência testicular. Cerca de 90% da testosterona produzida pelo organismo masculino provém dos testículos. Assim como nos ovários na mulher, devido à idade ou a diversos outros motivos, há uma diminuição progressiva da função testicular, que tem como consequência a diminuição da produção de testosterona.

Diagnóstico

O hipogonadismo é diagnosticado com base na persistência de sinais e sintomas relacionados a deficiência androgênica associado a baixos níveis laboratoriais de testosterona (mínimo 2 dosagens).

Sintomas Clínicos

Como principais sinais e sintomas associados ao hipogonadismo temos:

  • Diminuição do volume testicular
  • Infertilidade
  • Diminuição dos pêlos do corpo
  • Aumento das mamas
  • Diminuição de massa magra (músculo) e força muscular
  • Obesidade Visceral
  • Diminuição da densidade óssea predispondo a fraturas
  • Diminuição da libido e atividade sexual
  • Disfunção Erétil
  • Fim ou diminuição das ereções noturnas
  • Ondas de calor
  • Mudanças de comportamento (Fadiga e Impaciência)
  • Distúrbios do Sono
  • Difícil controle do Diabetes
  • Déficit de Aprendizado

Os sintomas mais prevalentes do hipogonadismo são diminuição da libido e atividade sexual, disfunção erétil e ondas de calor. Os sinais e sintomas de deficiência androgênica variam de acordo com a idade em que esta se estabeleceu, duração e severidade da deficiência. É importante ressaltar que muitos desses sintomas também são encontrados em homens com níveis normais de testosterona e por isso devem estar relacionados a outras doenças.

Na história do paciente, é importante o questionamento sobre uso de corticóides, abuso de drogas como maconha, opióides e álcool, além do tratamento prévio ou uso e abuso de anabolizantes.

Tratamentos

A reposição hormonal tem como objetivo reestabelecer os níveis normais de testosterona no sangue de homens com deficiência androgênica e seus sintomas. Seguem abaixo as principais indicações e contraindicações do tratamento:

Indicações

  • Disfunção Sexual e baixos níveis de testosterona
  • Diminuição da densidade óssea e hipogonadismo
  • Diabetes e hipogonadismo

Contraindicações

  • Histórico de Câncer de Próstata e Mama
  • Apnéia do Sono Severa
  • Desejo de ter filhos
  • Dificuldade para urinar associada a aumento prostático
  • Problemas cardíacos graves

Benefícios do Tratamento

A terapia de reposição hormonal no homem adulto com hipogonadismo leva a inúmeros benefícios, entre eles: recuperação de massa magra (músculo), controle metabólico de doenças e melhora de sintomas psicológicos e sexuais. Inúmeros estudos evidenciaram, com a reposição hormonal, efeitos positivos no controle da glicemia (açúcar no sangue) e dislipidemia (gordura no sangue), diminuição da resistência insulínica (predisposição ao diabetes) e diminuição da gordura visceral (entre os órgãos).

Uma forte relação entre baixos níveis de testosterona e risco de morte por doenças cardiovasculares foi documentada, mostrando assim uma grande importância da testosterona na prevenção dessas doenças.

Melhora dos sintomas sexuais, como libido, ereção e ejaculação também foram reportadas em paciente que realizaram terapia de reposição com testosterona. Houve também uma melhora em sintomas depressivos, na labilidade do humor e melhora dos parâmetros cognitivos.

Escolha do Tratamento

O objetivo da terapia de reposição hormonal é reestabelecer os níveis fisiológicos do hormônio em homens com hipogonadismo. Existem diversas apresentações da testosterona para uso na prática clínica, que diferem na forma de administração, tempo de ação e possíveis efeitos colaterais. A decisão sobre o melhor tratamento deve ser compartilhada entre o paciente e seu médico.

As principais formas de apresentação são: oral, injeção intramuscular e transdérmica (gel ou adesivos).

Procure seu médico para saber qual a melhor terapia para você.

Fatores de Risco para Reposição de Testosterona

Muitos médicos relutam em oferecer a terapia de reposição de testosterona pra seu pacientes com hipogonadismo. Isso muitas vezes está relacionado com o medo de promover riscos em relação ao câncer de próstata, risco cardiovascular e apnéia do sono.

Câncer de Mama Masculino

O câncer de mama masculino é uma doença rara e equivale a menos de 1% de todos os canceres que acometem os homens. Sua incidência é maior em homens com síndromes genéticas como Doença de Klinefelter. Portanto, é prudente não se administrar testosterona em homens com histórico de câncer de mama pelo risco de recidiva da doença.

Risco para Câncer de Próstata

O surgimento e desenvolvimento do câncer de próstata pode ser influenciado pela testosterona. No entanto, a administração de testosterona em homens com hipogonadismo não causa câncer de próstata e já existem várias pesquisas clínicas que comprovam este fato.

Outro cenário é quando o homem é portador de um tumor maligno da próstata, mesmo que incipiente, que poderá sim progredir às custas da reposição. Nesses casos a reposição é contraindicada. Por isso, antes de indicada a reposição hormonal  o paciente deverá ser investigado sobre a possibilidade ou não de apresentar câncer de próstata. Isto deve ser feito com a dosagem sanguínea de antígeno prostático específico (PSA), toque retal e em alguns casos, biópsia de próstata. Depois de afastado qualquer chance de ter câncer de próstata é que devemos iniciar a terapia de reposição.

Risco Cardiovascular

Deve-se ter cuidado com a reposição hormonal em pacientes com alto risco cardiovascular devido a predisposição para desenvolvimento de trombose e piora da função cardíaca. Por isso, nesses casos, é importante um seguimento conjunto com o cardiologista para discussão dos possíveis riscos e benefícios do tratamento.

Apnéia do Sono

Não existem evidências consistentes que associam a terapia de reposição hormonal com a piora da apnéia do sono.

Acompanhamento

Pacientes submetidos a terapia de reposição hormonal devem ser acompanhados com frequência. Esse seguimento, a principio, deve ser realizado a cada 3 meses, avaliando se houve ou não melhora dos sintomas. Espera-se melhora do interesse sexual em torno de 3 a 6 semanas do tratamento, mudanças na função erétil e ejaculatória em até 6 meses e melhora dos sintomas depressivos e da qualidade de vida em até 1 mês do tratamento.

Em cada retorno ao consultório, devemos avaliar o nível de testosterona no sangue, o ganho de massa muscular e óssea, além da monitorização da próstata e do risco cardiovascular.

Benefícios do Tratamento

A deficiência da testosterona no homem pode levar a uma queda importante em sua qualidade de vida devido a sintomas que afetam sua performance sexual e produtividade em atividades rotineiras.

Muitos são os benefícios associados a reposição hormonal, porém essa deve ser realizada sob supervisão de uma equipe especializada em lidar com os riscos inerentes ao tratamento. Assim, caso você apresente algum sinal ou sintoma que possa estar relacionado a uma deficiência do hormônio da testosterona, procure um especialista capaz de orientá-lo sobre a investigação e tratamento do seu problema.

 

Se você acredita apresentar sintomas de deficiência de testosterona procure ajuda especializada capaz de lhe oferecer tratamento individualizado para o seu problema.